Os 6 melhores hambúrgueres de Brasília

hambúrgueres

O gastrônomo Sebastián Parasole percorreu o Distrito Federal para descobrir onde são feitos os mais saborosos hambúrgueres. Veja o que ele nos conta:

Lembro quando, nos anos 80, na Rua Florida, em Buenos Aires, visitei com meu tio Ricardo e primos o fast-food Pumper Nic. Nunca esquecerei aquele hambúrguer.

Para poder falar de hambúrgueres devemos citar duas histórias.

A primeira é sobre o sanduíche! Em 1760, o escritor francês Pierre Grosley relata que, em Londres, um ministro de Estado gostava de jogar baralho por dinheiro. Para não perder tempo na mesa de jogo, decidiu juntar duas fatias de pão com carne no meio. O ministro se chamava Lord Sandwich.

A segunda história é sobre a aparição do bife de Hamburgo nos cardápios de restaurantes alemães nos Estados Unidos nos anos 1870. Esse bife de Hamburgo era uma espécie de bolinho de carne triturada e temperada, popular na cidade alemã. Diz-se que em 1872 nasceu o primeiro carrinho de rua para fornecer alimentação para funcionários de fábricas.

Os carrinhos tinham grelhas e popularizaram o bife de Hamburgo com pão, facilitando comer em pé e de forma rápida. Aquilo virou um clássico nos Estados Unidos, transformando-se em prato típico do país em 1890. No ano de 1900, o nome “sanduíche de hambúrguer” foi abreviado para “hambúrguer”.

Em 1948, na cidade de San Bernardino, na Califórnia, aparece o primeiro drive-in. A loja conseguia servir uma refeição completa em 20 segundos. Nasceu ali o Mister Mac!

Após um longo período de idas e vindas, franquias e concorrência no Brasil, a partir dos anos 2000 nascem os hambúrgueres gourmet. Cozinheiros, chefs e amadores especialistas em misturas de carne, como fraldinha, picanha e filé-mignon criam deliciosas iguarias que transformaram-se em joias, ocupando cardápios de restaurantes renomados do país.

Na procura dos melhores hambúrgueres do Distrito Federal, me permiti comprar hambúrgueres de carne e duas fatias de pão. Nada de alface, cebola, tomate, queijo, ovos fritos, molhos secretos e/ou bacon… Afinal, tudo com bacon fica bom! Acredito que os dois produtos mais importantes de um bom hambúrguer são a carne e o pão!

Os pontos importantes que levei em consideração nessa história de opinião pessoal são:

  1. a) Só visitei casas exclusivas de hambúrgueres;
  2. b) Os food trucks não contam, apenas estabelecimentos físicos;
  3. c) A mistura de carnes, gordura, condimentos, cocção e técnica no fogo são os pontos fundamentais para a tão apreciada peça;
  4. d) O pão deve ser leve e fofo, mas resistente e com corpo, tipo brioche, mais ou menos tostado, com ou sem sementes de gergelim, a critério da casa;
  5. e) Toda compra foi feita para viagem, permitindo ver a suculência da carne e a textura do pão com o tempo de repouso até chegar em casa;
  6. f) Cada loja visitada deveria ser de Brasília e com credibilidade em ser um produto artesanal;
  7. g) O ponto da carne, quando questionado pelo atendente, sempre era “ao ponto”. Se não, ficava a critério do cozinheiro. Infelizmente, muitos hambúrgueres não estavam no ponto certo e/ou não tinham sabor ou sal, prejudicando o produto final. Apesar de algumas passarem do ponto, estavam suculentas e saborosas.

Guiado pela imprensa local, prêmios e fanáticos desse prato tão popular, depois de visitar 16 estabelecimentos e ganhar um pouco mais barriga e colesterol, estes são os resultados:

Da esquerda para a direita, em grupos de 4 unidades.

Grupo 1 – ESQUERDA
– Belgrado (Asa Norte)
– Three (Asa Norte)
– Houston (Asa Norte)
– Hamburgueria do Francês (Asa Norte)

Grupo 2 – DIREITA
– Paprica (Asa Norte)
– Geleia (Águas Claras)
– Jhonie (Asa Sul)
– Marvin (Lago Sul)

Grupo 3 – ESQUERDA
– Parrilla Burguer (Asa Sul)
– Hum (Sudoeste)
– Brazilian American Burguers (Sudoeste)
– Malibu (Vicente Pires)

Grupo 4 – DIREITA
– Bulls (Gama)
– Secreto (Águas Claras)
– Durango (Águas Claras)
– Cumarim (Águas Claras)

Por último, não esquecer que os pratos simples são os mais difíceis de executar. O paladar se educa e o cliente escolhe! Boa descoberta! 

Os vencedores, em ORDEM ALFABÉTICA, são:

– Cumarim (Águas Claras)
– Geleia (Águas Claras)
– Hum! (Sudoeste)
– Páprica (Asa Norte)
– Parrilla Burger (Asa Sul)
– Secreto (Águas Claras)

(*) Sebastián Parasole é coordenador geral de Gastronomia do IESB.

Editores, colaboradores e convidados do portal Gastronomix.

Deixe um Comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.